A coprofagia (ato de ingerir fezes) é um problema frequentemente relatado pelos donos de cães e gatos. É mais frequente em cães, e enquanto filhotes, e pode ser causada por uma diversidade de fatores. O tratamento ou a correção do problema depende muito de sua causa, e é importante a avaliação do médico veterinário para verificar se seu animalzinho apresenta algum problema de saúde!

Causas de coprofagia

As causas da coprofagia podem ser comportamentais (mais comum), ou patológicas (deficiências nutricionais, verminoses, entre outras). Somente um profissional qualificado poderá direcionar a realização de alguns exames para detectar qual é a origem do problema.

Um animal com hábito de ingestão de fezes pode fazê-lo com suas próprias fezes, ou com a de outros animais que convivem no mesmo ambiente, filhotes (no caso de animais que passaram por uma gestação), e até de seres humanos.

Dentre as causas de coprofagia, estão
– Deficiência nutricional: a deficiência de determinados nutrientes pode fazer com que o animal procure se alimentar de fezes de forma a tentar suprir esta carência nutricional;
– Verminoses: a presença de vermes pode desencadear uma deficiência nutricional, que por sua vez leva a coprofagia;
– Fome: animais que são alimentados somente uma vez ao dia podem apresentar este comportamento por não estarem saciados, e buscarem alguma outra forma de se alimentar;
– Deficiência de enzimas digestivas e pancreáticas
– Gestação (recém-nascidos): a mãe pode ingerir as fezes dos seus filhotes para manter o ambiente mais limpo;
– Comportamental

Dentro dos motivos comportamentais, podem ser listados:
– Estresse e ansiedade: pode desencadear vários comportamentos, como a ingestão de fezes, lambedura de patas e até auto mutilação;
– Falta de atenção: a ingestão de fezes pode ser uma maneira de chamar a atenção dos donos;
– Falta de espaço: animais que são confinados em espaços pequenos, aonde fazem suas necessidade e também se alimentam, podem apresentar este comportamento de forma a tentar manter o ambiente mais limpo;
– Punição: ao receber broncas por fazer cocô no lugar errado, alguns animais podem ingerir suas próprias fezes de modo a evitar que recebam novas broncas.

Quais as consequências da coprofagia?

Ao ingerir suas próprias fezes ou de outros animais, seu pet está sujeito a contaminação por bactérias, vírus, protozoários e verminoses, podendo desencadear outros problemas de saúde.

Como evitar a coprofagia?

O médico veterinário deve ser consultado para tentar determinar qual a origem do problema. No caso de uma verminose, podem ser necessários exames de fezes e administração de vermífugos. No caso de problemas nutricionais, deve-se investigar a causa, e corrigir o problema e a dieta do animal. Nos casos comportamentais, alguns medicamentos podem ser usados para auxiliar no processo de correção do problema, porém o manejo do ambiente e o adestramento do animal também se tornam fundamentais.

Algumas dicas para evitar a ocorrência da coprofagia:
– Alimente seu animal várias vezes ao dia, e não uma única vez, para que este não procure as fezes como forma de alimento;
– Forneça uma dieta balanceada, e consulte um veterinário e se possível um nutricionista animal para avaliação da dieta;
– Mantenha seu animal vacinado e faça sempre check-ups para verificação de distúrbios metabólicos;
– Retire as fezes de seu cão o quanto antes possível, não deixando que se acumulem no ambiente;
– Dê espaço ao seu animal, separando o local em que ele se alimenta, brinca e interage; daquele em que faz as suas necessidades;
– Evite broncas ao ver seu animal defecando no local errado. Procure um adestrador para realizar a correção comportamental de forma mais adequada;
– Mantenha seu pet sempre feliz e ocupado, dando a ele atenção, passeios, e brinquedos para que possa se distrair, não gerando assim problemas como estresse e ansiedade.

Ricardo Cordeiro Jordão
Médico Veterinário
CRMV/RJ 12509
Tel/Whatsapp 32984299690